O Halleluya não se limita a um lugar

Na sala, no sofá, no chão… A Arena do Festival Halleluya ganhou um visual totalmente diferente este ano.





A família Sousa, por exemplo, preparou toda a casa para viver o Festival Halleluya da melhor maneira.

“Nossa vivência nesses dias de Halleluya foi maravilhosa! A nossa família Sousa parecia estar lá na arena do Festival, e procuramos fazer de tudo para ser dias inesquecíveis. Essa nova experiência de estarmos vivendo em tempos de contatos virtuais e não poder ter um aperto de mão, um abraço… é desafiador. Mas ao mesmo tempo aprendemos a conviver com essa nova realidade! Não poder ver Jesus pessoalmente no espaço da Misericórdia, passear pelos Stands, ir na lanchonete comprar um lanche, ou fazer aquela caminhada à procura de um amigo no meio da multidão. Dançar, cantar, pular, adorar ao Senhor, quanta saudades. Então, para tentarmos sentir esse frio na barriga de novo, essa emoção no coração colocamos os panos no chão, pegamos nossa Bandeira Halleluya, e fizemos comidinhas gostosas que não podiam faltar! Sexta foi na minha casa, até meu sobrinho de 3 aninhos, Miguel, cantou com a gente… No sábado fomos pra casa de uma tia querida, então saímos também do conforto de nossa casa e nos deslocamos só para estar perto, só para ter esse contato, essa alegria! Halleluya é isso, é onde Deus nos tira do chão e nos coloca de novo”, disse Juliana.


Para Andressa, essa maneira de viver o Halleluya despertou para descobrir qual o sentido do Halleluya:

“Vivendo estes dois primeiros dias do festival em casa fui entendendo que o Halleluya não se limita a um lugar. Halleluya é onde nós quisermos estar juntos para louvar a Deus e se alegrar”.

“Tem sido muito divertido projetar aqui em casa as loucuras e brincadeiras que costumávamos fazer na arena Halleluya do CEU. Colocar o pano no chão, juntar as comidas, tirar fotos com a bandeira do evento, pular, dançar, rezar, ficar acordado até tarde e se emocionar. Os shows foram maravilhosos! E toda a produção do evento está de parabéns. Que grande presente poder reviver toda a folia e renovação do Halleluya em casa. Gratidão, Comunidade Shalom! Muuito obrigada!”



Quem aí também montou sua Arena na sala de casa?





















_______________________________________________________________________ Por Mayara Raulino